Noite fria em São Paulo, mas muita gente nem ligou e uma grande fila se formava na frente da Clash Club no último dia 30. Tudo isso pra conferir uma das maiores revelações do drum’n bass em 2008, o DJ Lynx, que mais tarde faria um set inesquecível em mais uma edição da festa Marky & Friends. DJ Koiti abriu a noite com um warm up repleto de sucessos, enquanto o público chegava. Com um set mais calmo que o habitual, ele preparou muito bem a pista para a dupla 2Funkyz. Ao contrário do esperado por todos, Cezar Peralta e Beto Dog Face se apresentaram apenas em dois toca-discos, tornando a parceria menos dinâmica e ofuscando o entrosamento que eles costumam exibir. Muitos hits misturados em uma boa seleção de repertório marcaram o set que antecedeu a principal atração da noite. Com cara de menino e uma pele que com certeza não via sol há muito tempo, quando chegou, Lynx não precisou de apresentação. De ótimo humor, ele passou pelo club cheio até chegar ao palco sem achar ruim. Na primeira meia hora de seu set, Steve Lynx tocou algumas músicas com elementos que lembravam claramente seu maior hit – “Disco Dodo”. Sem melodias marcantes nem vocais, o set parecia frio para os moldes brasileiros. Mas logo depois, “Carnival” abriu uma seqüência de faixas com vocal que deram à pista a emoção que ela esperava. Nítidas influências de hip-hop habitaram o set e deram trabalho aos graves da Clash club, que foram reforçados e muito bem vindos. A cada faixa que entrava o lado esquerdo da pista, privilegiado pela acústica, literalmente tremia. O último set da noite foi do anfitrião DJ Marky, que misturou muito bem os sucessos aclamados pelo público com faixas mais conceituais e, claro, completamente desconhecidas. Dubplates vinham a toda hora e tornaram o set interessantíssimo pra quem gosta de novidades. No auge da apresentação, uma seqüência maçante de clownstep, com destaque para a cobiçada “Machette”, de Hazard. As 6h em ponto, o MC Lucky pegou o microfone e anunciou que dalí em diante Marky só tocaria old school. Começando mais leve, com “Last Call” de Hive, o set foi evoluindo e certa hora só se ouvia gritos pra “Let Me Be Your Fantasy” de Baby D, que abriu uma seqüência de hardcore cheia de clássicos. A lotação da casa não foi atingida, mas segundo a organização 800 pessoas compareceram à festa durante a noite. Um público ótimo, que manteve o espaço agradável para dançar, conversar e se divertir. Fonte: DNB Online.

Comments are closed.